Minha foto no III Concurso Nacional de Astrofotografias

Olá amigos!
Além de fazer tempo que não publico nenhuma imagem nova, venho ao blog para pedir uma ajudinha..
Mais uma vez estou participando do Concurso Nacional de Astrofotografias, dessa vez com uma imagem do Complexo Nebular Rho Ophiuchi, situado na constelação de Escorpião:


Gostaria de convidá-los para conhecerem os trabalhos participantes e, se gostarem da minha foto, votarem em mim. Todas as imagens participantes podem ser vistas aqui:

http://concursonacionaldeastrofotografias.weebly.com/imagens-participantes.html

A minha foto é a de número 35. Para votar, o link é esse:

http://concursonacionaldeastrofotografias.weebly.com/votaccedilatildeo.html

E além da premiação geral do III Concurso Nacional de Astrofotografias, minha foto foi selecionada para participar de uma votação especial, que definirá o campeão de três méritos especiais do III CNDA: a astrofotografia mais criativa, a melhor astrofotografia do Sistema Solar e a melhor astrofotografia de céu profundo. Eu concorro na categoria “melhor astrofotografia de céu profundo”. Segue o link para votação e contemplação dos trabalhos escolhidos para a votação especial:

http://concursonacionaldeastrofotografias.weebly.com/votaccedilatildeo-de-meacuteritos.html

Abraços a todos!

Anúncios

Inscrições abertas para o curso gratuito à distância “Cosmologia: do início ao fim do universo”

A quem interessar possa, o Observatório Nacional está com inscrições abertas para o curso gratuito à distância “Cosmologia: do início ao fim do universo”. Mais informações no linkhttp://www.astroaprendizagem.on.br/daed/

ImageProxy

Observatório Nacional preparando o curso EAD “Cosmologia: do início ao fim do universo”

O Observatório Nacional está preparando o curso Cosmologia – Da origem ao fim do universo, gratuito e a distância para você que deseja adquirir conhecimento científico.

Mais informações no Facebook: https://www.facebook.com/observatorionacional/photos/a.318827624893542.70519.302913576484947/697176630391971/?type=1

10991249_697176630391971_1182768494744011682_n

Escolhendo o primeiro telescópio

Qual telescópio você me recomenda?

Essa é a pergunta mais difícil que você poderia me fazer, rsrsrs.

Primeira premissa: não espere ver imagens iguais às de sites, livros e revistas de divulgação científica. Tais fotos são feitas com horas, ou mesmo dias de exposição, num telescópio situado em órbita terrestre, cujo espelho primário tem 2,4m (o Hubble). Na melhor das hipóteses, se você tiver muito dinheiro, comprará/construirá um telescópio de no máximo uns 40cm de abertura, dificilmente mais que isso, e ainda tem que enfrentar uns 120km de atmosfera.

Segunda premissa: qualidade tem preço. Não acredite nesses anúncios miraculosos do Mercado Livre.

Terceira premissa: esses telescópios do ML são jogar dinheiro fora (salvo equipamentos usados de boas marcas que de vez em quando aparecem por lá).

Quarta premissa: a capacidade de um telescópio não se mede pelo alcance. Você enxerga a lua a olho nu, e ela está a uns 380 mil quilômetros de distância. Você enxerga o sol a olho nu, e ele está a uns 150 milhões de quilômetros de distância. Você enxerga o complexo Alpha Centauro a olho nu, e ele está a 4 anos-luz de distância, o que dá uns 40 trilhões de quilômetros. Em céus escuros você vê a Galáxia de Andrômeda a olho nu, e ela fica a 2,5 milhões de anos-luz de distância (nem vou tentar transformar isso em quilômetros). Captou? Você e seu telescópio virtualmente enxergam até o infinito, se o objeto for luminoso o suficiente e não existir nada opaco na frente.

Quinta premissa: a principal característica óptica do telescópio é a abertura, ou seja, o diâmetro da lente objetiva (em caso de telescópios refratores) ou do espelho primário (em caso de telescópios refletores).

Sexta: quanto maior o telescópio, melhor, em termos de ampliação possível e qualidade de imagem (e desde que a parte óptica seja de boa qualidade).

Sétima premissa, que acaba atacando a anterior: quanto maior o telescópio, menos se usa. Meu tele tem quase 40kg. É um equipamento magnífico. Mas não é toda noite que dá coragem de levá-lo para o quintal.

Então, a maior dificuldade é equacionar o tamanho x portabilidade x orçamento.

Veja:

http://www.cosmobrain.com.br/cosmoforum/viewtopic.php?f=5&t=14844

O mais importante de tudo: fuja dos equipamentos vendidos em lojas do varejo (americanas etc…) e no mercado livre.

O melhor lugar para comprar telescópios, no Brasil, é o Armazém do Telescópios:

http://www.armazemdotelescopio.com.br/loja/

Pode comprar sem medo.

Eles também são muito gentis em orientar os iniciantes.

Recomendo algumas leituras, pois lá está melhor explicado do que eu poderia fazê-lo:

http://www.armazemdotelescopio.com.br/loja/index.php/artigos-astronomia/iniciantes

É indispensável também, antes de escolher, estabelecer suas expectativas.

O melhor telescópio para observar planetas pode não ser o mais indicado para objetos de céu profundo (galáxias, nebulosas, enxames de estrelas etc).

Para fotografá-los, essa afirmação é mais verdadeira ainda.

Veja:

http://www.cosmobrain.com.br/cosmoforum/viewtopic.php?f=59&t=18155

A astronomia observacional é bem menos exigente que a astrofotografia.

A escolha também vai depender de onde você mora (casa ou apartamento), poluição luminosa, possibilidade de levar o tele para um local escuro etc.

Também é importantíssimo conhecer o céu antes da compra.

O que eu recomendo mesmo, do fundo do coração, é estudar o céu e iniciar com um binóculo:

http://www.armazemdotelescopio.com.br/loja/index.php/home/binoculos/expanse7x50-detail

Primeiro comprei o tele. O binóculo depois. Mas considero o último meu principal instrumento de astronomia. Você não vai acreditar na visão magnífica que um binóculo proporciona num céu escuro. Levo ele pra todo canto, sem dificuldades nenhuma. Está pronto para uso qualquer noite. Não quer montar o telescópio? É só ir lá fora com o binóculo e já se dá pra praticar astronomia observacional com muita qualidade. Mas não compre binóculo de camelô!

Recordar é viver! Meu primeiro telescópio

Observação preliminar: o telescópio objeto dessa postagem já foi vendido. Atualmente meu equipamento de observação é esse: https://astronomiaeastrofotografia.wordpress.com/2015/01/13/ano-novo-equipamento-novo-meade-lx80-200mm-8-schimidt-cassegrain/
Outubro de 2013, eis a data em que eu finalmente concretizei uma antiga paixão de criança: dedicar-me, ao menos um pouco, à astronomia.
Meses antes de decidir qual telescópio comprar, a minha maior dúvida era equacionar abertura x portabilidade. E também eu não sabia se iria querer me aventurar pela astrofotografia. Tanto que eu criei esse tópico no cosmofórum, na época:
No fim das contas, acabei seduzido pelo excelente custo-benefício de um grande dobsoniano, o modelo retrátil de 254mm da Skywatcher. Esse telescópio já se foi (contarei a história posteriormente), mas ele me deu grandes alegrias.
A escolha da loja foi extremamente fácil. O Armazém do Telescópio provavelmente é a melhor opção para a compra de material astronômico no Brasil. Principalmente para quem está começando. O portfólio deles é variado e de qualidade. Também recomendo muito o Caleidocosmo, a Astroshop e a Tellescopio. Outros sites eu descarto, porque eles apresentam produtos de qualidade não tão boa como sendo maravilhosos, o que pode levar iniciantes ou desavisados a uma escolha que trará arrependimentos.
Em primeiro lugar, consto que é uma maravilha de telescópio! Recomendo principalmente para quem quer observar objetos de céu profundo. A abertura generosa e a razão focal rápida mandam bem nesse quesito! Com ele, e minha “teimosia saudável”, na expressão do Sandro Coletti, consegui até mesmo registrar DSO com uma qualidade muito aceitável para um iniciante!
Ora, fotografar DSO com um telescópio dobsoniano manual é muito recompensador, principalmente pelo fato de o equipamento não ser vocacionado para isso. Tratarei o assunto em post posterior.
Quando comprei, fiquei com medo de não me adaptar, pois era meu primeiro telescópio e eu não conhecia nada do céu. Mas com dedicação consegui aprender. Encontrar boa parte objetos foi uma facilidade incrível, mesmo sem GoTo. Pra quem tem interesse e disposição, é alegria garantida!
Quanto a parte técnica, em resumo, é um refletor parabólico newtoniano clássico, em montagem dobsoniana manual, com 1200mm de distância focal e 254mm de abertura (f4.7).
Me arrependo? Sim e não!
Sim porque no fim das contas usei pouco o telescópio. Tudo dava quase 40kg. Eu pensava que por praticar musculação não iria me importar com o peso, mas me enganei. Eu até conseguia carregá-lo sozinho e montado, tudo de uma vez, sem separar a base e o tubo. Mas só tinha coragem de fazer isso em noites muito boas, e preferencialmente aos finais de semana. Se é no meio da semana, se tem lua, ou nuvens, nem dá coragem. Fora que eu tenho pouco disponível.
Mas também considero uma boa compra, porque me apaixonei por observar DSO, e os 254mm em f4.7 mandavam bem nesse quesito, apesar do coma (que nem é tanto assim) e da chatice na colimação (ainda bem que ninguém morre por ter que colimar espelhos). Além disso, consegui algumas fotos de céu profundo que eu considero interessantes.
Se eu já tinha uma DSLR, por que não tentar e ver o quanto é possível “espremer” o equipamento para esse tipo de registro?
Sei que é possível fazer fotos muito melhores com equipamentos muito menores em montagem equatorial, mas me surpreendi positivamente com os resultados.
Nos primeiros dias de telescópio eu me arrependi de não ter comprado um modelo GoTo, mas meia dúzia de observações já foram o suficiente para pegar o jeito. De qualquer forma, embora o equipamento seja uma beleza, às vezes sinto falta de motorização, para poder usar maiores aumentos com mais facilidade. Com 120X já fica meio chatinho correr atrás de Júpiter, por exemplo… Em objetos de céu profundo, com menos aumento, ou em objetos mais longe do equador celeste, a situação é menos desconfortável.
Por outro lado, não há nada mais fácil que utilizar um telescópio em montagem dobsoniana. É colocar no chão e pronto. Tendo uma carta celeste, ou melhor ainda, um app do celular ou tablet (recomendo o Stellarium e o Carta Celeste), você já pode ter uma noção de onde estão os principais objetos e sair à caça.
Todavia, não recomendo um telescópio grande, como esse, nas seguintes situações:
• local de grande poluição luminosa (muita abertura e razão focal curta acabam sendo desvantagens, e não vantagens)
• local apertado (sacada de apartamento, quintal pequeno etc)
• utilizador que não tenha força física tão grande, nem quem o ajude
Se você tem carro, possibilidade de levar o tele para locais escuros (e seguros! não se arrisque!) e auxílio físico, esses inconvenientes desaparecem. Para eu que moro numa cidade de poluição luminosa baixa, tenho em casa um quintal grande, um bom pedaço do céu visível, e pratico musculação a vários anos (mens sana in corpore sano, diziam os romanos), o telescópio me serviu bem.

Astronomia observacional e astrofotografia amadora no Facebook e no Wordpress

Olá amigos.

Estou migrando meu blog para o Facebook e para o WordPress.

A ideia é rever e republicar lá meus artigos já escritos, e depois tirar o blog do ar.

Usarei a minha nova página, que mantém o mesmo nome “Astronomia Observacional e Astrofotografia Amadora”, para mostrar minhas imagens e relatar os reviews dos equipamentos que utilizei.

Visitem! Curtam! Abraços!

https://www.facebook.com/pages/Astronomia-observacional-e-astrofotografia-amadora/538247769651612

https://astronomiaeastrofotografia.wordpress.com/